sexta-feira, 14 de outubro de 2011

História Política do Diabo

Título: História Política do Diabo
Autor: Daniel Defoe
Tradutor: Maria João Medeiros

Sinopse: Originalmente publicado em 1726, e agora pela primeira vez traduzido para Portugal, a História Política do Diabo, de Daniel Defoe, é um texto que combina a visão bíblica e o senso comum, oferecendo uma panorâmica abrangente do papel do Diabo na sociedade ao longo dos tempos.
No seu estilo vigoroso e exótico, o feroz crítico de Milton e do seu Paraíso Perdido apresenta o Diabo como um Robinson Crusoe na sua ilha deserta, condenado ao destino de se ver rodeado de hipocrisia e cupidez por todos os lados humanos.
Satã - como anjo caído ou cavalheiro de levantada condição - revela-se-nos nas duas partes bastante diferentes que compõem o livro e que fascinam pela sua irreverência mordaz, cuidado histórico e... actualidade.

Opinião: Peço desculpa por não andar a escrever nada. Mas como já vim aqui dizer, acabei de entrar na Universidade, e o ritmo alucinante não me deixa muito tempo livre e, como tal, tenho que abdicar de algumas coisas, nomeadamente de tempo para vir aqui escrever. Por outro lado, isto é mais por serem as primeiras semanas, ainda me estou a habituar, e a organizar e tal... Tenho a certeza que quando a rotina se enraizar definitivamente, vou ter mais tempo para o blog.

Passando às leituras, a deste livro arrastou-se mais do que seria de esperar por causa de uma infeliz conjugação de situações: os motivos de que falei em cima e o facto de ser um livro do século XVIII e que, portanto, e apesar de a tradução estar excelente e ter tentado conciliar a escrita com os 3 séculos que entretanto já passaram, não deixa de ser típica daquela época, muito formal e trabalhada, espectacular, como é óbvio, mas que leva a um ritmo mais lento de leitura.

Ora, isto tudo fez ainda com que a minha atenção ao livro não fosse a que ele merecia, com muita pena minha, porque é um livro mordaz e crítico, escrito de forma bastante inteligente e argumentativa, que é uma das minhas formas de escrita favoritas. Ou seja, não posso dizer com grandes certezas que é um livro tremendamente espectacular ou que é um livro mediano, nem nada do género. Mas posso afirmar, sem grandes dificuldades, que é um bom livro, escrito por um grande escritor, o mesmo Daniel Defoe de Robinson Crusoe, com uma estrutura paralela à da Bíblia: uma primeira parte com a história do Diabo até ao nascimento de Jesus, e uma segunda parte com a história após o nascimento de Jesus. Digo ainda que a ironia e a crítica velada, ainda que disfarçada, espreitam a cada linha, o que permite ao autor falar de assuntos sérios de forma aparentemente algo leve.

É óbvio que sendo um livro escrito no século XVIII não podemos esperar outra coisa que não seja a crença em Deus como um dado adquirido, e a noção pré-concebida de que os cultos dos índios sul-americanos, por exemplo, são cultos de adoração ao Diabo. É normal que haja este tipo de preconceito religioso, e também em relação ao papel da mulher, sempre vista como inferior ao homem. Mas não é nada que não se ultrapasse, pois Defoe é o mais objectivo possível, dentro das suas limitações religiosas, como é normal.

É interessante, e não sei se me deva arriscar a aconselhar, mas acho que sim, que vale a pena ler, especialmente para os mais interessados em questões de teologia. E não se preocupem, que o autor não é excessivamente faccioso... Eu pelo menos gostava de voltar a pegar no livro, com mais atenção.

5 comentários:

M. à conversa disse...

Parece-me interessante, e o título já por si desperta alguma curiosidade.
O facto de ser escrito no século XVIII faz com que seja um livro ainda mais apelativo, mas que tal como tu disseste, merece ainda mais atenção...
Daqui a uns tempos quando conciliar a rotina e tenha um tempinho, talvez o lei-a :)

Kleiton Gonçalves disse...

Teu blogue é excelente. Adorei em especial a postagem sobre este livros, que pretendo ler.

"mas que leva a um ritmo mais lento de leitura"

- Isso só me desperta mais interesse, igualmente.

Abraços,

Kleiton
http://kleitongoncalves.blogspot.com.br/

Rui Bastos disse...

Obrigado Kleiton. Aconselho vivamente a leitura, eu próprio voltarei um dia a este livro, quando tiver mais tempo (e mais paciência!). Abraço!

Anónimo disse...

Obrigada, Rui. Sua publicação me serviu para o que eu procurava entender antes de comprar o livro.

Rui Bastos disse...

Óptimo! Boa leitura!