sábado, 11 de abril de 2009

Dois Anos de Férias


Um livro de Júlio Verne, um dos mais brilhantes escritores de todos os tempos. Desde prever o futuro, a fazer com que coisas que dificilmente aconteceriam na vida real, pareçam verdadeiras. Neste caso, um grupo de crianças entre os nove e os catorze anos, perde-se em alto-mar. Sem mais ninguém a bordo. Encalham numa ilha deserta, e passam lá dois anos sem qualquer contacto com a civilização, ou sem saberem muito bem onde estão. Mas caçam, pescam, organizam aulas, cozinham, têm festa de Natal, uma capoeira, arranjam uns animais parecidos com cavalos, e tudo aquilo que precisam, arranjam. Chá, comida, água doce, uma maneira de substituir o sal, enfim, montes de coisas.


Até elegem um chefe! E durante aquela curta estadia, têm dois, um para cada ano. Um dia descobrem que aquela ilha já tinha sido habitada por alguém, um náufrago francês. Descobrem o seu diário, o que os mete a pensar. Este náufrago encalhou nesta ilha também, e esteve cá uma data de anos e acabou por morrer sem conseguir sair da ilha. Como é que um grupo de crianças vai conseguir?

Pois é, um grande dilema. É então que há uma ruptura e um pequeno grupo deles decide separar-se do resto do grupo e ir viver para a outra ponta da ilha. Esse grupo revoltado descobre que chegaram mais pessoas à ilha, e decide voltar para ao pé dos outros. Enquanto isso, o grupo principal encontra uma mulher, uma das pessoas que chegou de novo à ilha. E... não vou continuar. Já contei a história quase toda, se quiserem saber mais leiam o livro.


6 comentários:

Frederico J. disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
By A. disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
miguel disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Rui Bastos disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Pedro disse...

Já li o livro, e para não variar gostei imenso! ^_^

Júlio Verne é um dos meus autores preferidos. Já li dele várias obras, mas acho que a minha preferida continua a ser "Viagem ao Centro da Terra".

Gostei muito de "Dois Anos de Férias", embora seja mais realista do que é normal em Verne, está nele patente aquela genialidade e visão abrangente.

Rui Bastos disse...

Também sou um fã de Júlio Verne, e em qualquer livro dele nota-se aquela tendência para "adivinhar o futuro". Qual Nostradamus, qual quê, Júlio Verne é que foi um verdadeiro profeta! xD