sábado, 27 de março de 2010

Porquê ler?

Quando eu digo que gosto de ler, a pessoas que não gostam, a primeira pergunta que lhes vem à mente é "porquê ler?", e ficam à espera que eu, um leitor quase compulsivo, lhes dê uma resposta objectiva e satisfatória, e que lhes explique, detalhadamente, porque é que devem ler.

Ora bem, eu não consigo responder a isso. Na minha opinião, nem eu nem ninguém. Ler é uma coisa muito pessoal, e cada pessoa tem motivos diferentes. Há quem leia porque quer aprender coisas novas, há quem leia para fugir à realidade, há quem leia pelo puro prazer de ler, entre muitas outras razões. E ainda por cima, muitas vezes as pessoas não sabem dizer exactamente porque é que gostam de ler. Apenas gostam.

Como tal, é muito complicado conseguir explicar isto. Torna-se tão pessoal que o melhor que uma pessoa pode fazer é explicar, mais ou menos, porque é que gosta de ler, e as razões que dá podem não ser suficientes para outra pessoa começar a ler. Convenhamos, ninguém gosta de ler por obrigação, por isso se alguém não lê, não é por algum gato-pingado, que lê 3 ou 4 livros por mês (ou mais), se chegar ao pé desse alguém, e lhe dizer que deve ler, que esse alguém lê. Não funciona assim.

Cada pessoa tem o seu próprio motivo, e cada pessoa deve descobrir o seu. Pode até nem ter nenhum. Sejamos realistas, há pessoas que não foram feitas para ler, nem nunca lerão nada na vida, e não vão ser menos felizes por isso. Sem querer ofender ninguém, claro, mas nem toda a gente pode gostar de ler. Ou porque não tem paciência, ou porque não tem tempo, ou porque tem coisas mais interessantes para fazer.

Eu também não gosto de patinagem artística, e nunca na vida faria tal coisa, mas no entanto, há pessoas que dedicam as suas vidas a isso. Ler é a mesma coisa. Eu pessoalmente não sobrevivo se não estiver a ler qualquer coisa, mas há pessoas que olham para os livros e apenas vêem material para fogueira. Não tenho nada contra isso.

Como já se deve ter percebido, não acho que toda a gente deva ler, até porque há gente que não consegue, que simplesmente não tem perfil para isso. Mas acho que todos deviam pelo menos tentar. Um mísero livrito. Pode ser que não se goste mesmo, e nunca mais se pegue noutro, ou pode ser que se descubra uma grande paixão.

E claro, sou completamente contra as leituras obrigatórias. Eu próprio, que gosto de ler, fico logo de pé atrás, ante um livro que me obrigaram a ler. Imagino para aqueles que não gostam de ler, deve desmotivá-los ainda mais. Sim, que isto dos professores nos tentarem motivar para a leitura raramente corre bem. Sei isto por experiência própria. O que muitos fazem (e o próprio programa está assim feito), é pôr-nos a ler grandes clássicos e obras portuguesas, e não podia haver uma abordagem mais errada. Esses livros são por vezes de leitura difícil, já para não falar do tamanho (lembro-me das 716 páginas d'Os Maias, assim de repente), o que, como devem imaginar, não motiva lá muito à leitura.

Espero que isto mude, num futuro próximo. Nem toda a gente gosta de ler, mas de certeza que andamos a perder muitos leitores por causa de uma campanha completamente errada.

6 comentários:

Ana C. Nunes disse...

Concordo quase na totalidade (excepto na patinagem artística XD) e eu também sou uma das que detestou as leituras obrigatórias. Felizmente nessa altura li outros livros, não obrigatórios, que me criaram o gosto pela leitura.

Canochinha disse...

Fizeste-me dar uma gargalhada com essa da patinagem artística :D
Eu acho que há pessoas que, pura e simplesmente, não foram feitas para ler, por mais que tentem. Depois há outras que, se foram devidamente orientadas para descobrir o tipo de livro ideal para elas, podem assim descobrir as virtudes da leitura. Por fim, há pessoas como nós que, basicamente, não são nada esquisitos :D Mas olha que já fui! Houve uma altura em que não lia grande variedade de livros (em termos de género), mas depois isso foi surgindo com naturalidade.

Também há outra questão interessante que se prende com isto ser ou não genético. Como já disse, acho que é importante haver o contexto certo para que nos tornemos leitores, mas a verdade é que nem sempre a existência desse contexto tem esse efeito... por isso acho que sim, é preciso haver o "gene da leitura".

Parabéns, Rui, gostei do texto :)

Rui Bastos disse...

Ana, já somos 2, se eu não fosse já um leitor compulsivo antes de me obrigarem a ler coisas, provavelmente não leria nada :s

Canochinha, tens razão, o contexto é importante, a mim ajudou-me o facto de desde sempre viver rodeado de livros e mais livros!

E muito obrigado =D

LA disse...

Felizmente já sabes ler, senão continuarias a pedir que te lêssemos uma (2, 3, ...) história todos os dias.

Arisu disse...

Concordo plenamente Rui. Penso que o Plano Nacional de Leitura é a coisa mais odiosa e errada que o governo já mais se lembrou de fazer. Como se uma pessoa de repente quisesse ler um livro só porque este tem um autocolante redondo na capa a dizer "ler mais".

DiAleX disse...

Tal e qual. Acho que em Portugal não há muito o hábito de ler - já nem falo do hábito de escrever - mas parece-me que estamos a melhorar. É fascinante ler um livro e muito haveria a dizer sobre isso. O mesmo livro não é igual para duas pessoas pois cada uma o imagina à sua maneira. O cinema nunca conseguirá sobrepor-se a isso =P

P.S.: Vai ver a conta de email ^^