sexta-feira, 27 de agosto de 2010

A Revolução dos Cravos de Sangue


Um triller passado no pós 25 de Abril em que a anarquia e o caos reinavam na capital Portuguesa.
Nunca tinha lido um livro sobre agentes secretos, por achar o assunto já demasiado "batido" pela sétima arte, mas a verdade é que não me arrependi. O facto de o autor, Gerard de Villiers ser francês despertou-me a curiosidade acerca do ponto de vista de um estrangeiro quanto à n,ossa revolução, e de facto as descrições tanto dos locais como dos hábitos dos portugueses estavam tão pormenorizadas, que frequentemente me esqueci da nacionalidade do autor.

O enredo segue as aventuras do príncipe austríaco (e melhor agente da CIA) Malko Linge, que tem a importante missão em mãos de impedir que o governo português caia nas mãos da KGB. No entanto, nem mesmo o melhor agente da CIA conseguirá impedir que tal aconteça sem provocar danos colaterais. Entre tanto, por entre as ruelas de Alfama que tudo escondem e as vigiadas avenidas lisboetas, a revolução mostra o seu lado mais negro e conturbado.

Bem escrito, gráfico e bastante original, este Revolução dos Cravos de Sangue em tudo me agradou, excepto o lamentável facto de o autor vincar profundamente a sua posição política através do relato da história, fazendo por vezes dos heróis de Abril uns idiotas.
À parte deste pequeno "à parte", julgo que qualquer pessoa interessada pela Guerra Fria devia dar uma vistinha de olhos neste livro.

2 comentários:

Jacqueline' disse...

Curioso, vi este livro hoje mesmo no site da Saída de Emergência e procurei opiniões na net, mas não encontrei nenhuma.

Agora sim fiquei elucidada :)

Pena realmente esse "à parte", mas sem dúvida será interessante conhecer um pouco de como a CIA tentou puxar Portugal para a esfera de influência dos EUA, enquanto a KGB para a da União Soviética.

Arisu disse...

Ainda bem que te pude "elucidar" minimamente Jacqueline :D