terça-feira, 19 de janeiro de 2010

O Tumulto das Ondas


O primeiro romance de Yukio Mishima que leio, na verdade, o primeiro romance japonês que tenho o prazer de ler, numa espécie de lufada de ar fresco dos mangas, que me deixou totalmente rendida.
A história, de uma imensa simplicidade, transporta-nos para uma ilha remota do Japão, Utajima, de uma maneira tão perfeitamente descritiva que quase nos sentimos seus habitantes.
Shinji, um rapaz de dezoito anos, sem grandes objectivos na vida para além da de ser reconhecido como pescador, vê-se de repente deparado com algo de que o seu espírito simples e desprovido de conflito jamais esperaria: o repentino interesse por uma lindíssima jovem acabada de chegar à ilha.
De um momento para o outro, a rapariga, Hatsue, passa a invadir-lhe os pensamentos e as emoções.
Um tempo mais tarde, Shinji e Hatsue, amando-se mutuamente, vê-se obrigados a lutar contra a inveja e ao preconceito de alguns que fazem tudo para que os dois não vivam felizes.
Numa narrativa melodiosa, Mishima mostra-nos com uma história de carácter tão simples pode influenciar a nossa maneira de ver a natureza da mente humana.

5 comentários:

t i a g o disse...

Representei há dois anos uma peça de teatro deste autor. Chamava-se HANJO, e falava acerca de uma rapariga que esperava pelo regresso do seu amante, todos os dias, na estaçãod e comboio à frente de sua casa. Era muito forte, o texto, emotivo; mas, como disseste deste, simples ao mesmo tempo.

Mishima foi uma grande escritor. A literatura japonesa, no seu geral, retrata o lado humano das coisas. :)

Arisu disse...

Sim, de facto não só na literatura, mas em toda a cultura japonesa, de alguma maneira, retrata sempre o lado humano das coisas :D
Tenho de procurar por esse Hanjo, obrigada pela dica ;D

Lívia disse...

Parece uma história interessante, vou colocar na fila de leituras...
Eu li um único autor japonês, Junichiro Tanizaki, ele escreveu "Amor insensato", muito bom.
abs
=)

t i a g o disse...

Hanjo é apenas uma pequena peça de teatro (umas 10 páginas A4, se tanto). Não sei se estará publicado, nem sequer numa colectânea.

Mas se fizeres questão posso-te enviar a minha versão. É só fazer scanner. :)

Arisu disse...

De qualquer modo :DD
Vou fazer umas pesquisas, mas muito obrigada na mesma!