domingo, 9 de janeiro de 2011

Os Segredos do Número π - Porque é que a quadratura do círculo é impossível?

Título: Os Segredos do Número π
Autor: Joaquín Navarro
Tradutor: João Pedro Piroto Pereira Duarte

Sinopse: Três-catorze-quinze... esta familiar cantilena descreve a razão entre o comprimento de uma circunferência e o seu raio, também conhecida como número pi. Objecto de estudo desde os alvores da civilização, nenhum outro número despertou tanto interesse e controvérsia ao longo dos tempos.

Opinião: De todos os livros desta colecção que já li até agora, este é, muito provavelmente, o mais horrível em termos técnicos, não fosse ele sobre o π (pi), um número tão incompreendido quanto incompreensível. Tem casas decimais que nunca mais acabam (literalmente), que não seguem qualquer tipo de padrão (que tenha sido descoberto até agora), e alguns dos maiores vultos da matemática gostam de brincar com ele, só porque sim.

No entanto, é de louvar o esforço bem sucedido que o autor faz para não massacrar demasiado o leitor, pois embora tenha fórmulas que metem medo ao susto, tem igualmente muitas páginas dedicadas aos aspectos históricos e a curiosidades interessantíssimas (ou não!). Achei espantoso ver como este número mete o nariz em tudo. Ele é teoria dos números, ele é geometria, ele é probabilidades, ele é física, ele é poesia, ele é música, ele é cinema, ele é leis, ele é arte... Enfim, as aplicações do π devem ser quase tantas quanto as suas casas decimais.

A vantagem/desvantagem (depende do ponto de vista) disto, é que se podem condensar, num só livro, montes de temas. Por um lado é porreiro, o meu nível de cultura geral deve ter subido aos píncaros do Quem Quer Ser Milionário, mas por outro, lá está, acaba por se tornar difícil gerir tanta informação em tão pouco tempo.

Como é óbvio, gostei. O meu fascínio pela matemática continua a aumentar, e cada vez fico mais espantado com a quantidade de pessoas que despreza esta ciência, a mais pura delas todas. Se lhe derem uma oportunidade, e tiverem paciência, conseguem ver como pode ser bela e que raramente é um bicho de sete cabeças tão mau quanto o pintam!

7 comentários:

O cozinheiro solitário disse...

Olá a todos os que vão ler este comentário neste blogue ou noutro muito bom como este. Pois é, estou encantado com todos estes posts bem feitos, quase que desenhados. Pois, eu gostava de fazer igual, mas não consigo. O meu dilema agora é cozinhar… A vida é dura e obrigou-me a morar sozinho, e a cozinha não é de todo o meu local favorito. Mas estou a tentar conhecê-la, mas as aventuras têm sido imensas. Fiz um blog humilde para colocá-las em forma de crónica pouco extensas. Gostava muito que todos vocês o visitassem e se possível o seguissem. É que tentar cozinhar e depois não ser ajudado, é algo muita mau.
Cumprimentos a todos!

http://tenhosalfaltamecolher.blogspot.com/

M. à conversa disse...

A ideia que tenho deste livro ao ler a tua opinião é TERROR! Pelo que me parece, este livro tem tanto de assustador como de interessante pelo que o seu terror "transborda" para os dois lados. Deve ser de facto muito interessante ver as teorias que estão por base deste número, que tem dado volta aos mais robustos cérebros matemáticos, durante séculos. Resumindo : estou curiosa! :)

Rapaz à Chuva disse...

Toda esta descrição fez-me lembrar um filme que vi há uns tempos. Chama-se, convenientemente, π (pi) do Darren Aronofsky.

Recomendo a quem gosta de thrillers e de matemática.

Rui Bastos disse...

Esse filme é mencionado neste livro, e não ficou muito bem visto :p

Rapaz à Chuva disse...

É compreensível.
Eu também não gostei do "Vector Calculus" :p

RNSilva disse...

Gostei do livro #Os Segredos doNúmero "pi"# que li numa "penada"!
Sobretudo as referências históricas à obtenção do seu valor foram , para mim, de grande interesse.
Agora um só comentário e esclarecimento ao referido na Sinopse de um dos leitores deste livro: o valor de "pi" é a relação constante entre o perímetro de uma circunferência e o seu diâmetro e não o raio como está, por lapso, referido.
RNSilva

Rui Bastos disse...

Estes livros têm a vantagem de serem surpreendentemente leves ;)

E tens toda a razão, eu que copiei a sinopse nem dei por ela... Obrigado, já está corrigido!