sábado, 7 de novembro de 2015

Amadora BD 2015


Depois de anos a adiar, lá passei pelo Amadora BD, este ano. Diverti-me e até comprei uns livritos, mas querem saber qual é a minha opinião geral?

Meh.

O espaço das vendas está porreiro, e tem os culpados do costume, da Kingpin à GFloy, com a Chili com Carne, a Polvo, a Levoir, mais algumas (não me lembro de todas) e o próprio império do mal, a Leya.

Uma pedaço agradável a que só faltaram uns descontos para agradar à malta, mas não tenho queixas e até trouxe algumas coisas. A Polvo tem coisas muito interessantes, e a Kingpin é a espectacularidade do costume (embora se tenha excedido, da melhor maneira, com os mais recentes lançamentos, com edições de luxo!), e a GFloy apresenta-se claramente como uma potência a ter em conta. A Leya continua a ser maléfica, a Levoir torna-se menos interessante por não ter muita diversidade, e a Chili com Carne continua a soar demasiado estranha para mim.

Mas depois o espaço das exposições (e o minúsculo auditório com entradas à frente e não atrás) deixa muito a desejar. Esperava muito mais, pelo menos. Ainda por cima tive que gramar a minha namorada a queixar-se de como tinham esburacado os livros todos para estarem ali presos a serem exibidos. Acho que uns alarmezinhos e umas torres à entrada como nas lojas faziam o serviço de forma mais agradável.

O problema mais grave das exposições, no entanto, é a brutal falta de informação. Meus caros, simplesmente expor painéis de BD dentro de molduras demasiado grandes ao longo de toda a parede não me vai dizer muito. Gostava de ter alguma informação, algum contexto, enfim...

Portanto não foi um mau bocado, o que ali passei, mas digamos que não foi propriamente extraordinário. Quando podia, muito perfeitamente ter sido. Já para não falar de que ninguém me tira da cabeça que a visibilidade do evento sofre de uma deficiência qualquer, uma vez que este é muito, mas muito mal publicitado...

3 comentários:

Jules Pijey disse...

Oh meu amigo, gramar a tua namorada é um prazer, tá bom? Era só isto, obrigada e bom dia!

Rui Bastos disse...

Hum... Claro... Claro que sim!

Jules Pijey disse...

Mau, mau... Um exemplo tão espectacular de ser humano a ser tratado desta forma. Enfim!