segunda-feira, 26 de julho de 2010

O Deus das Pequenas Coisas


Demasiado belo para ser lido uma única vez na vida. Foi o que me ocorreu quando acabei este romance arrebatador de Arundhati Roy.
A história das pequenas coisas. A história das belas coisas invisíveis. Impensáveis. Impalpáveis.
A história da família Kochamma, que não sabia que tudo poderia mudar um dia. A história dos gémeos (biovulares) Estha e Rahel, que depois de separados perdem uma Grande coisa. A história da sua mãe Ammu, que ama de noite o homem que os seus filhos amam de dia. A história do tio Chacko, um Marxista não-praticante que anseia a chegada da sua filha Sophie Mol e da sua ex-mulher Margaret de Inglaterra. A história da tia-avó Baby que um dia amou um homem e que depois foi seduzida pelos encantos da televisão. A história da avó Mammachi, que cega toca o seu violino, ainda recordando a violência do marido. A história de Velutha, o homem Intocável amado de dia e de noite. O Deus das pequenas coisas.

O enredo apanha-nos logo desde o início com as constantes e ritmadas mudanças cronológicas pelo que o fim da história nos é logo relatado no principio. Depois vêm as pequenas coisas, os pormenores que nos conduzem ao fim no início.

Uma leitura profunda e filosófica, sobre o mundo. Extremamente inteligente, de facto, Arundhati Roy, consegue ser a escritora que melhor descreve sentimentos que eu já vi. Lindo, uma poesia em prosa. Seria impossível não classificar este romance com cinco estrelas.

Um livro o b r i g a t ó r i o.

4 comentários:

João Filipe disse...

Este é dos livros que ultimamente me tem "chamado" e agora que o adquiri na colecção da revista Sábado será uma das minhas próximas leituras...
Parece ser fantástico!

Arisu disse...

Não te vais arrepender ;D

t i a g o disse...

Parti para a leitura e confesso que não me entusiasmei tanto como queria, o que talvez tenha influenciado o ritmo de leitura mais lento, e consequentemente a nota que dei ao livro - 7 em 10. Não sei porquê, pareceu-me um pouco arritmado, e exagerou um pouco na complexidade... mas opiniões são opiniões!

:)

Páginas de inspiração disse...

è engraçado, até agora nunca tinha ouvido falar desta autora. Mas de certeza que não a deixarei passar de lado... xD